coletivos em rede e organizações - coro

 


Eramos 3

Ativo desde 2003
Origem: Rio de Janeiro – RJ
Ana Sarmento + Cristina Amiran + Gê Pinheiro + Khalil Charif + Marcelo Moraes
O grupo éramos 3 pretende ser um canal para realização de ações que buscam divulgar o trabalho de jovens artistas. Neste sentido é o caráter político (e não o estético) que nos une.

 
Eramos 3

Actif depuis 2003
Origine: Rio de Janeiro RJ
Ana Sarmento + Cristina Amiran + Gê Pinheiro + Khalil Charif + Marcelo Moraes
Le groupe éramos 3 a l'intention d'être un canal pour la réalisation d'actions cherchant à faire circuler le travail de jeunes artistes. Dans ce sens, c'est le caractère politique (et non pas l'esthétique) qui nous unit.


QUESTIONÁRIO

1- Defina seu coletivo.
O grupo éramos 3 pretende ser um canal para realização de ações que busca divulgar o trabalho de jovens artistas, neste sentido é o caráter político (e não o estético) que nos une.

2- Como pensam a coletividade na prática artística contemporânea?
É na coletividade que a prática artística produz os ecos necessários para ocupar uma função social.

3- Como pensam o indivíduo no coletivo?
O indivíduo é parte do coletivo, que são partes de outros coletivos maiores, agrupados e inter-relacionados sucessivamente até que cheguemos ao conceito mais amplo de coletivo global.

4- Como se organizam coletivamente?
O grupo tem, atualmente, cinco integrantes permanentes - sendo que a cada novo trabalho outros artistas podem ser convidados a participar. São realizados encontros/reuniões semanais para discussão/realização de ações.

5- Qual a posição do coletivo em relação às instituições?
Sem visibilidade não se dá o fenômeno coletivo: é preciso que os indivíduos conheçam o trabalho para terem algum tipo de relação com ele. Entendemos que as possibilidades que as instituições eventualmente oferecem podem e devem ser utilizadas para alcançar o maior número de indivíduos. Sabemos que circuito, curadoria, crítica, mercado e museus, tem interesses/finalidades específicas que nem sempre coabitam.

6- Como o coletivo se mantém e viabilizam materialmente suas ações?
O grupo não tem patrocínio. Quando não conseguimos parcerias, os custos são rateados entre os próprios participantes.

7- A quais ações artísticas se propõe? Exemplifique.
Idealização, organização e realização de exposições e ações. Realizamos a exposição coletiva "Cada um Dois... Original ou cópia?", na EAV Parque Lage, em 2003 (onde reunimos 22 artistas). A exposição “Posição 2004”, no mesmo local (com mais de 140 artistas).

8- Existe posicionamento ético/político pré-estabelecido em suas práticas e conceitos? Quais os critérios utilizados para concepção dos projetos do grupo?
O posicionamento ético é com o fazer artístico: não ser manipulado por interesses estranhos à natureza das ações realizadas.

9-Qual a posição do coletivo em relação a curadoria?
Entendemos que a curadoria é uma construção de pensamento. Se ela é interna (dos integrantes), ela contribui para a formação de um "modo de ver" daquele coletivo. Se ela é externa (convidados ou propostas), o processo sai um pouco do domínio exclusivo do grupo e passa a agregar vetores que podem ser incorporados, potencializando nosso campo exploratório.

10- Se as questões acima não são suficientes para explicitar sua proposta, por favor complete com as informações que achar necessárias.
Atualmente o grupo tem cinco integrantes permanentes, porem a cada novo trabalho outros artistas podem ser convidados a fazerem parte.

Agradecemos a oportunidade, e aguardamos notícias.