coletivos em rede e organizações - coro

 


Grupo Um

Ativo desde 2003
Origem: Rio de Janeiro – RJ
Nadam Guerra + Domingos Guimaraens + Jaya Pravaz + Daniel Toledo + Bruno Castel + Christian Caselli + Patricia Valverde + Natália Wartz + Julia Csekö + Julia Lima Verde + Joana Csekö + Luiz Lopez + Pedro Seiblitz + Raíssa
O Grupo UM é um coletivo de artistas que pesquisam o terreno híbrido onde todas as artes se encontram. Onde se percebe que arte é uma só. A humanidade é uma só. E não há porque criar divisórias ou pregar rótulos. Utilizamos o conceito de arte única e arte visual viva para designar nossos trabalhos que são ao mesmo tempo artes visuais, dança, cinema, teatro, música, poesia e vida. A síntese é a proposta ética e estética do Grupo UM como descrito poeticamente no Manifesto UM. Século vinte e um. Tudo é um. Arte é um. A implicação prática desta postura é a eliminação de preconceitos, a dissolução de todos os rótulos, a abertura total ao diálogo, ao novo, a descoberta. Um enorme sim que traz a certeza de que a vida é mais bela sem cercas.



Grupo Um


Actif depuis 2003
Origine: Rio de Janeiro RJ
Nadam Guerra + Domingos Guimaraens + Jaya Pravaz + Daniel Toledo + Bruno Castel + Christian Caselli + Patricia Valverde + Natália Wartz + Julia Csekö + Julia Lima Verde + Joana Csekö + Luiz Lopez + Pedro Seiblitz + Raíssa
Le Grupo UM est un collectif d'artistes qui mènent une recherche sur le terrain hybride où toutes les arts se rencontrent. Où l'on s'aperçoit que l'art est un seul. L'humanité est une seule. Et il n'y a pas de raisons pour créer des cloisonnements ou pour coller des étiquettes. On utilise le concept d'art unique et d'art visuel vivant pour designer nos travaux qui sont à la fois art visuel, danse, cinéma, théâtre, musique, poésie et vie. La synthèse est la proposition éthique et esthétique du Grupo UM, tel qu'il est poétiquement écrit au Manifesto UM. Siècle vingt et un. Tout est un. L'implication pratique de cette posture est l'élimination d'arrières pensés, la dissolution de tout label. L'ouverture totale au dialogue, au nouveau, à la découverte. Un énorme oui qui amène la certitude que la vie est plus belle sans haies.



QUESTIONÁRIO


1. Como se viabilizam (tem patrocínio?, etc.)
auto patrocínio nas ações. Tivemos apoio financeiro para a produção de alguns dos eventos.

2. Como pensam o coletivo?
Como um espaço de troca entre várias individualidades. O coletivo é um somatório.

3. Como pensam o indivíduo no coletivo? Justificar

Cada indivíduo têm sua linguagem, seu trabalho, suas preferências, etc. e vive em contraste com os demais.

4. Como se organizam como coletivo?
O coletivo se organiza a partir de propostas práticas de ações: eventos ou experimentos. Fazemos reuniões periódicas de debates e de decisões práticas. Nadam, Domingos e Raissa vêm cuidando da coordenação do grupo e produção dos eventos.

5. Como pensam as instituições? ( circuito, mercado, inserção, curadoria, crítica, museus...)
Tudo é um. Arte é um. Incluindo artes visuais, teatro, música, dança, cinema, ou o que for. O grupo pretende ter uma atuação transversal nos vários circuitos de arte existentes. Dialogar com todos e alargar compreensões.

6. A quais ações artísticas se propõem? Justificar. Como elas se viabilizam? Exemplificar.
1.Eventos que promovam arte visual viva. no primeiro ano realizamos 3 eventos: Visor, evento com performances e instalações inéditas (visor#1 performance fotográfica – parque das ruínas e visor #2 Teatro abstrato – teatro Laura Alvin) e Cinema Manual e Grupo UM, parque das ruínas, com trabalhos do repertório do grupo.
2.Experimentos: Ações com metodologia, local, duração e objetivo definido por seu propositor e direcionado a princípio apenas aos integrantes do grupo. Exemplo: Projeto para a modificação do homo sapiens – construção de um humanóide onde cada parte recebeu uma mutação.

7. Existe um posicionamento ético/político pré estabelecido em suas práticas e conceitos? Quais os critérios utilizados para concepção dos projetos do grupo?
tolerância e Síntese são os pressupostos éticos do grupo. Todos somos Um. Tudo é um...

8. Como pensam a curadoria ou qualquer tipo de recorte? ( pense curadoria nas mais diversas formas, desde interna (dos integrantes) a externa(convidados ou propostas)
O que seria chamado de curadoria é feito parte nas discussões de todo o coletivo e parte pelos coordenadores do grupo. Dentro do grupo esta não é uma função inflacionada como acontece vem acontecendo no meio artístico.



manifesto


UM

Por uma arte única

Século vinte e um
Tudo é um
Quem acha que faz teatro ou música ou pintura ou cinema ou performance ou fotografia está vivendo no século passado.
Não há fotografia que não seja música
Não há poesia que não seja cinema
Nem teatro que não seja escultura.
Arte única, mais que um movimento
É uma constatação da contemporaneidade.

Tudo é um
Arte é um
Arte é viva
Não há como matar
E não faz sentido compartimentar.
Somos herdeiros de todas ass vanguardas do século vinte
E também do romantismo, do iluminismo,
Do clássico, do medieval e do pré-histórico.

Tudo é um
Construtivismo surrealista
Cerâmica eletrônica
Muralismo digital
Barroco minimalista
Realismo abstrato
Tricô de fibra ótica
Humanogravura
Chanchada conceitual
Concretismo bucólico
Teatro dança de poesia visual
Vídeo pintura de dramaturgia pop
Cinemogravura de música conceitual
Escultura sonora de fotografia expressionista
Vanguarda comercial de museu alternativo
Academia experimental de galeria pop

Tudo é um
A diferença entre um pintor e um cineasta
é a mesma que entre um poeta e outro poeta.
Especificidades e individualidades existem
Categorias não
Categorias são invenções projetadas sobre o real
No real arte é uma só
Tudo é um

O músico supor que o que faz não é teatro
E o poeta pensar que sua arte não é sonora nem visual
Ou o pintor afirmar que arte conceitual não tem nada a ver com pintura
É o mesmo que o católico pensar que reza para um deus diferente do protestante
Ou o muçulmano julgar que sua crença é mais importante que a do budista.
Só haverá paz quando entendermos que somos um
Tudo é um

Arte é um
Não importa como se manifesta
Tudo é um
Não importa a cor da pele
Ou a referência bibliográfica
Ou se seu fazer requer mais habilidade
Da mão, da mente, do ouvido ou do corpo.

Viva a antropofagia
E viva o academicismo!
Viva as tias avós que fazem crochê rosa bebê!
E viva seus sobrinhos netos que tocam have metal na garagem!
Viva eu, viva tu
Viva o rabo do tatu!
Viva a tradição popular,
Viva os homens de letras,
E viva os jovens rebeldes!
Todos são um,
Ou não serão nada!

 

Cinema Manual

Animação Experimental // Dança de luz // Dramaturgia Sensorial

Cinema Manual é um trabalho fronteiriço entre artes visuais e performáticas que une Dança e Teatro de Animação às artes visuais. Nadam faz cinema ao vivo sem câmeras nem recursos eletrônicos. A performance utiliza técnicas milenares de Teatro de Sombra e práticas contemporâneas com poucos objetos, lâmpadas, lentes, luzes e mãos.

Cinema Manual tem dois anos de intensa pesquisa e experimentação que resultaram em uma série de peças curtas apresentadas em eventos de Cinema, Poesia, Teatro de Animação, Performance, Dança e Artes Visuais; uma exposição de fotografia e vídeo; alguns eventos multimídia (Cinema Manual Convida no Espaço Sesc, Visor no Parque das Ruínas e no Teatro Laura Alvim) e ainda uma série de instalações (cinema autônomo).

" A idéia formada pela luz e sua ausência, como a estrutura oriental dos teatros de sombra, transposta para a grandiosidade do cinema numa linguagem sonora e visualmente contemporânea."
Luiz Alphonsus, artista plástico

" Dança de luz, dança de imagem, dança de música, dança de efeitos, dança de teatro. Tudo separado e ao mesmo tempo, unificado. (...) não é mais um corpo que dança, mas um todo que dança"
Juliana Chrispim (Jornal do Brasil, 9/11/0 3- dança /crítica)