coletivos em rede e organizações - coro

 


Obra Viva


Ativo desde 2003
Origem: São Paulo – SP
Nathalie Fari e artistas convidados
Este conceito, continuamente em processo, visa a
criação de um espaco simbólico, onde o corpo humano é
a materia principal.
O trabalho articula-se a partir de um projeto
individual, porem dentro do pensamento "coletivo".
Em São Paulo, a artista fez inúmeras parcerias, das
quais algumas se expandirao para Berlim,
principalmente a intenção de construir uma rede "viva"
e multidisciplinar.

http://www.nathaliefari.com



Obra Viva


Actif depuis 2003
Origine: São Paulo SP
Nathalie Fari et artistes invités
Ce concept, toujours en cours, vise la
création d'un espace symbolique où le corps humain est
la matière principale.
Le travail s'articule à partir d'un projet
individuel, quoique dans la pensée "collective".
À São Paulo, l'artiste a fait d'innombrables partenariats,
quelques-uns desquels se sont développés vers Berlin,
surtout l'intention de bâtir un réseau "vivant"
et multidisciplinaire.

http://www.nathaliefari.com

A OBRA VIVA Isöld cria um espaço simbólico e interativo, no qual o corpo e a sua relação com o público assumem a posição central, a partir do tema do amor.
Um tema presente nos últimos trabalhos da multiartista Nathalie Fari e que visa, num tempo indeterminado, construir uma Obra completa, recortada das diversas experiências com o espaço, público e vida.
Aqui, inspirou-se no romance medieval de “Tristão e Isolda” e na música “Isobel” da Björk, que sob o seu ponto de vista:

“ É uma menina que nasceu na floresta.
Depois de adulta foi morar na cidade, tendo como único guia o seu instinto.
Isöld dança semi-nua e se apaixona por pessoas erradas, que a trazem dor.
Por isso, ela escapa e se isola do mundo, criando inúmeros Tristões…”


DADOS TÉCNICOS:

· Áudio: sistema estério de PA (2 canais) com 2 caixas acústicas + microfone de lapela.

· Espaço: Fiteiro cultural

· Duração: 20 minutos

FICHA TÉCNICA:

· Concepção e Atuação: Nathalie Fari

· Trilha sonora/ bases pré-gravadas: Célio Barros·

Músico convidado/ guitarra preparada: Paulo Hartman