coletivos em rede e organizações - coro

 


P.O.I.S – Poesia.Objetos.Imagens Instalados

Ativo desde 2003
Origem: Porto Alegre-RS
Marcelo Gobatto + Luciano Zanette + Claudia Paim
Somos a união de pessoas e esforços para viabilizar propostas de trabalho. Nossas propostas, nosso caminho, são frutos de nossos desejos e encontros, a possibilidade de nos organizar. Trabalhamos pelo aparecimento de oportunidades. Pensamos em situações específicas. Somos o que somos, nossos desejos. Chamamo-nos Palavras, objetos e imagens instalados.



P.O.I.S Poesia.Objetos.Imagens Instalados


Actif depuis 2003
Origine: Porto Alegre-RS
Marcelo Gobatto + Luciano Zanette + Claudia Paim
Nous sommes l'union de personnes et d'efforts pour rendre viables des propositions de travail. Nos propositions, notre chemin, sont les fruits de notre désir et des nos rencontres, la possibilité de nous organiser. Nous travaillons pour le surgissement d'occasions. Nous pensons à des situations spécifiques. Nous sommes ce que nous sommes, nos désirs. Nous nous appelons Mots, objets et images installés.

QUESTIONÁRIO

1. Defina seu coletivo.
É união de pessoas e esforços para viabilizar propostas de trabalho.


2. Como pensam a coletividade na prática artística contemporânea?
Como uma possibilidade de movimentação para os artistas.

3. Como pensam o indivíduo no coletivo?
Ele não desaparece.

4. Como se organizam coletivamente?
Somos um coletivo muito novo. Até agora, as propostas executadas e os projetos que estão sendo encaminhados foram frutos de nossos desejos, conversas e organização informal, ou seja, na base da amizade como uma possibilidade de se organizar.

5. Qual a posição do coletivo em relação às
instituições? ( circuito, mercado, inserção, curadoria, crítica, museus...).
Não são as únicas formas de inserção para o artista e seu trabalho.

6. Como o coletivo se mantém e viabilizam materialmente suas ações? (tem patrocínio?, etc.).
Não temos nenhum apoio financeiro. As intervenções que realizamos no Instituto Goethe foram pagas por cada membro. Temos alguns projetos tanto de trabalhos como de cursos (em negociação) onde pedimos suporte material.

7. A quais ações artísticas se propõem? Exemplifique.
Não temos um perfil de ação definido. Conforme nossos desejos e o aparecimento de oportunidades, pensamos em situações específicas. Por exemplo: temos uma proposta de curso, ministrado coletivamente, onde abordamos nossos interesses. Chama-se Palavras, objetos e imagens instalados. Outro exemplo: propostas de intervenções em campus universitários com convites a outros artistas e profissionais de diversas áreas.

8. Existe um posicionamento ético/político pré estabelecido em suas práticas e conceitos? Quais os critérios utilizados para concepção dos projetos do grupo?
Pré-estabelecido, não. Talvez a medida que nos movimentemos surja algo, mas por enquanto, não. O critério que mais utilizamos na concepção de algum projeto é que ele atenda nossos desejos.

9. Qual a posição do coletivo em relação à curadoria? (pense curadoria nas mais diversas formas, desde interna (dos integrantes) a externa (convidados ou propostas).
Sem posição definida quanto a curadoria em situações institucionais. Ela existe e cada um pode aceitá-la ou não. Quanto a curadoria interna, convidamos pessoas por afinidade, de cujo trabalho gostamos e que intuímos que conseguem trabalhar em coletivos.

10. Se as questões acima não são suficientes para
explicitar sua proposta, por favor complete com as
informações que achar necessárias.

DADOS COMPLEMENTARES


CURRÍCULO P.O.I.S.

Participação no Multiple-X 2003

Realizado através da parceria entre o Goethe Institut Porto Alegre e o
Núcleo de Interação entre Música, Tecnologia e Arte Contemporânea (NIMTAC), o festival Multiple-X em sua 2ª edição, conquista uma maior abrangência em sua proposta artística e oportuniza mais espaço em sua programação.

Em 2003 o festival Multiple-X foi marcado pela expansão dos propósitos e promoveu interações e rupturas, brincando com a equação entre passado, presente e futuro na arte, conjugando numa só forma, ritual e tecnologia, estabelecendo como limite apenas o espaço.

Shows, performances, intervenções, palestras e cursos foram distribuídos nos sete dias de duração do evento, onde o público teve acesso a trabalhos de artistas como Rodolfo Caeser, Sons Transgênicos, Fernando Mattos, Catarina Domenici, Club d'Essai, Iria Barcellos, Lumbra, Fernanda Ramos, Emersom Pingarilho, Guilherme Pilla, Geraldo Tavares, Fernando Bakos, Nathalie Fari, Marcelo Gobatto, Claudia Paim e Luciano Zanette, além dos convidados alemães Barbara Morgenstern e Maximilian Hecker.


Programação:

Segunda, 20 de outubro.
- 09h. Curso: Música Interativa, com James Correa. Sala 53
- 14h. Curso: Imagem, Objeto e Palavra Instalados , com Marcelo Gobatto,
Claudia Paim e Luciano Zanette. Sala 53
- 20h. Palestra: Arte em Ação, com Fernando Bakos. Auditório.

Terça, 21.
- 09h. Curso: Corpo Musical, com Nathalie Fari. Sala 53
- 14h. Curso: CSOUND, com Antônio Nunes. Sala 53
- 20h. Palestra: Círculos Ceifados: mistério e revelação, com Rodolfo
Caeser. Auditório.

Quarta, 22.
- 09h. Curso: Música Interativa, com James Correa. Sala 53
- 14h. Curso: Imagem, Objeto e Palavra Instalados, com Marcelo Gobatto,
Claudia Paim e Luciano Zanette. Sala 53
- 20h. Performance: Rito, com o grupo Lumbra. Saguão.

Quinta, 23.
- 09h. Curso: Corpo Musical, com Nathalie Fari. Sala 53
- 14h. Curso: CSOUND, com Antônio Nunes. Sala 53
- 20h. Performance: Exeunt Ophelia, com Iria Barcellos. Subsolo

Sexta, 24.
- 09h. Curso: Música Interativa, com James Correa. Sala 53
- 14h. Curso: Imagem, Objeto e Palavra Instalados, com Marcelo Gobatto,
Claudia Paim e Luciano Zanette. Sala 53
- 20h. Performance: Fernando Bakos, com Ação Instantânea. Saguão.
- 21h. Shows: Fernando Mattos, com Epígrafes Espanholas e Sons Transgênicos, com o espetáculo MP 131/03. Auditório.

Sábado, 25.
- 09h. Curso: Corpo Musical, com Nathalie Fari. Em local combinado com a
artista.
- 14h. Curso: CSOUND, com Antônio Nunes, Sala 53
- 19h. Performance: Coroação do Macaco, com Emersom Pingarilho, Guilherme Pilla e Geraldo Tavares. Terraço do 6º andar.
- 21h. Shows: Fernando Bakos com Artista como Fonte e Club d'Essai com o
espetáculo Acidentes Articulados. Auditório.

Domingo, 26.
- 19h. Performance: Obra Viva I, com Nathalie Fari. Local indicado apenas no
dia.
- 20h. Shows: Barbara Morgenstern e Maximilian Hecker (Alemanha). Auditório (entrada franca).

Intervenções
(Abertas ao público durante todo o período de realização do
festival)
- Plastic Sex, de Fernanda Ramos, 3º Andar.
- Traduzindo, de Claudia Paim. Saguão.
- Transposições, de Marcelo Gobatto. De Segunda a Sexta, durante o
Multiple-X e videoinstalação de Sexta a Domingo, das 19 às 22hs.
- [L A C U N Á R I O], de Luciano Zanette. Subsolo.

OBS: o curso do P.O.I.S. não foi realizado durante o festival.

Temos projetos de intervenções artísticas em fase de negociação em alguns campus universitários.